Cidade

Aspectos Geofísicos

  • Temperatura Média Anual 22 graus Celsius
  • Clima Tropical
  • Altitude 636,30 metros
  • Àrea Total do Município 1.062 Km2 ou 112.000 ha
  • Índice Pluviométrico Anual 1.300 a 1.400 mm
  • Latitude 22o 17´ 12´´ sul
  • Longitude 48o 07´ 35´´ oeste
  • Tipos de Rochas Basaltos e Arenitos
  • Recursos Minerais Areias
  • Geomorfologia Cuestas Basálticas
  • Relevo Vai de plano a ondulado
  • Vegetação Cerrado e Campo

O município de Brotas está localizado na região central do estado de São Paulo, a 208 quilômetros, em linha reta, a noroeste da capital do estado e a 60 quilômetros a sudoeste de São Carlos. Situando-se nas coordenadas geográficas 22º 17´ 12´´ de latidude Sul e 48º 07´ 35´´ de longitude Oeste do meridiano de Greenwiche e o núcleo urbano a uma altitude de 636,30 metros acima do nível do mar.

Brotas pertence à região de governo de Rio Claro, que, por sua vez, pertence à região administrativa de Campinas, sendo um dos maiores municípios em área do estade de São Paulo, com cerca de 112.000 hectares.

Seus limites territoriais são: ao norte com Ribeirão Bonito: ao sul com Torrinha e São Pedro: à leste com São Carlos e Itirapina e à oeste com Dourado e Dois Córregos.

Geologicamente, o município de Brotas está localizado na Bacia Sedimentar da Província do Paraná. O relevo desta Província é contituído de planaltos tubulares e cuestas basálticas concêntricas, que drenam suas águas para os rios Paraná e Uruguai.

A chamada cuesta basáltica se assemelha a um degrau contínuo, com um patamar na base e outro no topo podendo chegar até 200 metros de altura, o topo é denominado de frente de cuesta e a base de reverso da cuesta, onde existem os Morros Testemunhos, ou seja morros isolados que se destacam na planície. Esta paisagem se formou através de derramamento basáltico proveniente da Era Mesozóica que na Era Cenozóica sofreu um forte processo de erosão que propiciou então o surgimento da Depressão Periférica, das Cuestas e do Planalto Ocidental, compondo o relevo da região.

A vegetação típica do município de Brotas se divide em extensões interioranas da Mata Atlântica localizadas nas escarpas da cuesta, cerrados e cerradões no reverso da cuesta, e matas galerias que seguem os cursos d´água. Essa vegetação se encontra hoje praticamente toda devastada devido a intensa exploração agropecuária do município, apenas os trechos mais íngremes, algumas faixas de cerrado e pequenas áreas ao longo dos rios e riachos preservam a mata nativa.

O clima de características tropicais apresenta temperatura média anual entre 21,8ºC e 23,0ºC, sendo fevereiro o mês mais quente (médias de 25,1ºC) e junho o mais frio (média de 18,7ºC), segundo NICOLINI (1990). A precipitação média anual varia entre 1100 a 1400 mm chovendo mais em dezembro (2500mm) e menos em julho (30mm). Devido às chuvas orográficas que ocorrem na escarpa do planalto a região das cuestas possui maiores índices pluviométricos comparando com a Depressão Periférica.

As condições naturais de Brotas propiciam um favorável potencial turístico, com destaque para os recursos Hídricos do município.

Recursos hídricos

O manancial hidrográfico que se localiza na região da APA Corumbataí, Botucatu e Tejupá, no perímetro Corumbataí, está associado às bacias dos Rios Piracicaba, Baixo Tietê e Paranapanema, constituindo, denso sistema de drenagem, cujas nascentes estão em áreas de relevo acidentado das cuestas basálticas. O município pertence ao Comitê da Bacia Hidrográfica Tietê Jacaré (CBHTJB).


Principal Rio

Rio Jacaré Pepira nasce na divisa entre São Pedro e Brotas, na Serra de Itaqueri a 960 m de altitude e após um trecho de 174 km formando cachoeiras e várzeas exuberantes, deságua no rio Tietê a aproximadamente 400m de altitude no município de Ibitinga (notem a diferença de nível entre a nascente e a foz), formando um a micro bacia de 7.219 km², estendendo-se por 13 municípios.

Os principais afluentes do Rio Jacaré Pepira no município de Brotas são: Ribeirão Tamanduá, Córrego Gouveia, Ribeirão Rasteira (na margem direita), Rio Pinheirinho, Rio do Peixe e Rio Monjolo (na margem esquerda).

O rio tem uma única interrupção no seu curso, o que ocorre após o percurso inicial de 16 km, ao atingir a cota de 800m, onde se encontra artificialmente represado por uma barragem de 10m, atualmente pertencente à FPHESP (Fundação do Patrimônio Histórico das Energias de São Paulo), a famosa regionalmente, Represa do Patrimônio.

Ocupando uma posição central, nas proximidades do rebordo das escarpas das “Cuestas Basálticas” e, portanto, apresentando altitudes que no conjunto constituem o alinhamento da Serra Geral, a região possui características climáticas peculiares. E de acordo a formação de seu relevo originou-se uma série de rápidas corredeiras e quedas d’água.

O Rio Jacaré Pepira é um dos afluentes do Tietê em melhores condições, apresenta grande parte de sua extensão preservada, o que justifica todo um esforço da sociedade e do poder público para a sua preservação. O rio foi e é objeto de vários estudos na área de Meio Ambiente e já sediou um importante projeto do “Consórcio Intermunicipal de Preservação da Bacia do Rio Jacaré Pepira”; uma experiência piloto, que teve a iniciativa do COMDEMA de Brotas em meados da década de 80.

A comunidade sempre teve laços afetivos, históricos e culturais com o rio, onde ele "cruza" o perímetro urbano, formando várias quedas e corredeiras; conhecido como “Parque dos Saltos”.

Nome: Rio Jacaré Pepira

Após pesquisas em livros da Língua indígena, chegamos à conclusão que o nome do Rio Jacaré Pepira é de origem TUPI GUARANI. Segundo o Prof. Silveira Bueno, a grafia da palavra era “YACARÉ”, que significa “aquele que olha de lado, aquele que é torto”.

Já para a palavra PEPIRA, tem duas versões: A primeira ''YACARÉ PEPIRA''; significa jacaré esfolado ou descascado levando-se em consideração o curso do rio (é inegavelmente torto) e, que existem muitas pedras. Daí falar-se em “esfolado” ou “descascado”. Existe outra palavra TUPI de grafia ''PEPERI MIRIM'', cujo significado diz rio de quebradas pequenas.